Production and morphological components of sunflower on soil fertilized with cassava wastewater

Mara Suayane Marques Dantas, Mara Suayane Marques Dantas, MARIO MONTEIRO ROLIM, Anamaria de Sousa Duarte, Anamaria de Sousa Duarte, Luiz Evandro da Silva, Luiz Evandro da Silva, Manassés Mesquita da Silva, Manassés Mesquita da Silva

Resumo


Agroindustrial residues, such as cassava wastewater, have been used as soil fertilizers, reducing environmental
pollution and recovering nutrients. The objective of this work was to evaluate production and morphological components
and oil yield of sunflower (Helianthus annuus), hybrid Helio-250, fertilized with cassava wastewater. The experiment
was conducted at the Experimental Station of the Instituto Agronômico of Pernambuco, Vitória de Santo Antão, State of
Pernambuco, Brazil. A randomized block experimental design was used, with six cassava wastewater rates (0, 8.5, 17.0,
34.0, 68.0 and 136 m3 ha-1) and four replications. The variables evaluated were shoot fresh and dry weight, capitulum fresh and dry weight, capitulum diameter, seed yield, oil yield and seed oil content. The use of cassava wastewater as soil fertilizer improved the production and morphological variables evaluated, except the seed oil content, which decreased with application of cassava wastewater rates above 25 m3 ha-1.


Palavras-chave


Helianthus annuus L., resíduos, agroindústrias, teor de óleo

Texto completo:

PDF (English)

Referências


APHA - American Public Health Association, AWWA - American Water Works Association, WPCF – Washington Press Club Foundation (1995) Standard methods for the examination of water and wastewater. 17.ed. Washington, American Public Health Association. 2198p.

Aquino LA, Silva FDB & Berger PG (2013) Características agronômicas e estado nutricional de cultivares de girassol irrigado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 17: 551-557.

Barreto MTL, Magalhães AG, Rolim MM, Pedrosa EMR, Duarte AS & Tavares UE (2014) Desenvolvimento e acúmulo de macronutrientes em plantas de milho biofertilizadas com manipueira. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 18: 487-494.

Bezerra Neto E & Barreto LP (2011) Análises químicas e bioquímicas em plantas. 3ª ed. Recife, UFRPE, 148 p.

Biscaro GA, Machado J R, Tosta MS, Mendonça V, Soratto RP & Carvalho LA (2008) Adubação nitrogenada em co-bertura no girassol irrigado nas condições de Cassilândia-MS. Ciência e Agrotecnologia, 32:1366-1373.

Bruginski, D H & Pissaia, A (2002) Cobertura nitrogenada em girassol sob plantio direto na palha: II morfologia da planta e partição de massa seca. Scientia Agraria, 3: 47-53.

Campos AT, Daga J, Rodrigues EE, Franzener G, Suguy MM & Syperreck VIG (2006) Tratamento de águas residuárias de fecularia por meio de lagoas de estabilização. Engenharia Agrícola, 26: 235-242.

Castro, C & Farias JRB (2005) Ecofisiologia do girassol. In: Leite RMVBC, Brighenti AM, Castro C. (Ed). Girassol no Brasil. Londrina: Embrapa Soja, p. 163-210.

Companhia Nacional de Abastecimento – Conab (2014). Acompanhamento de safra brasileira: girassol – estimativa safra 2013/2014. Acessado em: . Disponível em: .

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa (2006) Sistema brasileiro de classificação de solos. 2.ed. Rio de Janeiro, 306p.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa (1997). Manual de métodos de análises de solos. 2. ed. Rio de Janeiro, 262p.

Fageria NK (2001) Nutrient interactions in crop plants. Journal of Plant Nutrition, 24:1269-1290

FAO (2008) Food and Agriculture Organization. Faostat. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2014.

Fioretto RA (1987) Manipueira na fertirrigação: efeito sobre a germinação e a produção de algodão (Gossypium hirsutm, L.) e milho (Zea mays, L.). Semina, 8:17-20.

Grigatti M, Girolamo GD, Chincarini R, Ciavatta C & Barbanti L (2011) Potential nitrogen mineralization, plant utilization efficiency and soil CO2 emissions following the addition of anaerobic digested slurries. Biomass and Bioenergy, 35:4619-4629.

Ivanoff MEA, Uchôa SCP, Alves JMA, Smiderle OJ & Sediyama T (2010) Formas de aplicação de nitrogênio em três cultivares de girassol na savana de Roraima. Revista Ciência Agronômica, 41:319-325.

Joner G, Metz PAM, Arboitte MZ, Pizzuti LAD, Brondani IL & Restle J (2011) Aspectos agronômicos e produtivos dos híbridos do girassol (Helianthus annus L.) Helio 251 e Helio 360. Ciência Animal Brasileira, 12:266-273.

Moraes MT, Silva VR & Arnuti F (2012) Resíduos líquidos de efluentes de agroindústria de carnes na produtividade de girassol. Enciclopédia Biosfera, 8:843-853.

Oliveira LB, Pires AJV, Viana AES, Matsumoto SN, Carvalho GGPL & Ribeiro SO (2010) Produtividade, composição química e características agronômicas de diferentes forrageiras. Revista Brasileira de Zootecnia, 39:2604-2610.

Ribeiro AC, Guimarães PTG & Alvarez VH (1999) Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais. 5a Aproximação. Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais - CFSEMG - Viçosa, MG, 359p.

Silva FF, Freitas PSL, Bertonha A, Muniz AS & Rezende R (2004) Impacto da aplicação de efluente maturado de fecularia de mandioca em solo e na cultura do sorgo. Acta Scientiarum. Agronomy, 26:421-427.

Tomich TR, Rodrigues JAS & Gonçalves LC (2003) Potencial forrageiro de cultivares de girassol produzidos na safrinha para ensilagem. Arquivos Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, 55:756-762.

Uchôa SCP, Ivanoff MEA, Alves JMA, Sedyama AT & Martins, SA (2011) Adubação de potássio em cobertura nos componentes de produção em cultivares de girassol. Revista Ciência Agronômica, 41:8-15.

Virmond E (2011) Utilização de resíduos agroindustriais como fonte alternativa de energia. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 264p.

Zaffaroni E & Grigolo S (1998) Determinação da época de plantio do girassol na região sul do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrociência, 2:138-142.

Zobiole LHS, Castro C, Oliveira FA, Oliveira Júnior A & Moreira A (2010) Curva de crescimento, estado nutricional, teor de óleo e produtividade do girassol híbrido BRS 191 cultivado no Estado do Paraná. Revista Brasileira de Oleaginosas e Fibrosas, 14:55-62.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.