Produção de cultivares de alface americana sob dois sistemas de cultivo

Cristian Rafael Brzezinski, Alexsandro Geller, Julia Abati, Flavia Werner, Claudemir Zucareli

Resumo


A alface é cultivada em todas as regiões brasileiras, porém há restrições ao seu cultivo em virtude de sua sensibilidade
às condições adversas de temperatura, umidade do ar e disponibilidade de água. Diante disso, objetivou-se, com
este experimento, avaliar a produção de quatro cultivares de alface americana, sob dois sistemas de cultivo. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso, em esquema de parcelas subdivididas. As parcelas foram constituídas por dois sistemas de cultivo (túnel baixo de polietileno e campo aberto), e, as subparcelas por quatro cultivares de alface americana (Angelina, Rubette, Grandes Lagos 659 e Tainá), com quatro repetições. As características avaliadas foram: altura de plantas, diâmetro total da planta, diâmetro transversal da cabeça, comprimento de caule, diâmetro de caule, massa de matéria fresca de caule, número de folhas comerciais e não comerciais, massa de matéria fresca comercial e não comercial. Foi realizada análise de variância e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey. O túnel baixo favorece o crescimento e a produção de cultivares de alface americana, em relação ao campo aberto. O cultivar Rubette mostra crescimento e produção superiores aos demais cultivares avaliados, nos dois sistemas de cultivo.


Palavras-chave


Lactuca sativa L., túnel baixo, campo aberto, sistemas de produção, folhosas

Texto completo:

PDF

Referências


Costa CP da & Sala FC (2005) A evolução da alfacicultura brasileira. Horticultura

Brasileira, 23:1.

Dantas RT & Escobedo JF (1998) Índices morfo-fisiológicos e rendimento da alface (Lactuca sativa L.) em ambientes natural e protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 2:27-31.

Edmond JB, Senn TL & Andrews ES (1967) Princípios de horticultura. México: Continental. p.119-134.

Estefanel V, Buriol GA & Saccol AV (1978) Variabilidade e probabilidade de ocorrência de temperaturas mínimas absolutas do ar no Estado do Rio Grande do Sul. Revista Centro de Ciências Rurais, 8:363-384.

Ferreira DF (2011) Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35:1039-1042.

Gomes TM, Modolo VA, Botrel TA & Oliveira RF (2005) Aplicação de CO2 via água de irrigação na cultura da alface. Horticultura Brasileira, 23:316-319.

Gualberto R, Oliveira PS & Guimarães A (2009) Adaptabilidade e estabilidade fenotípica de cultivares de alface do grupo crespa em cultivo hidropônico. Horticultura Brasileira, 27:7-11.

Henz GP & Suinaga F (2009) Tipos de alface cultivados no Brasil. Brasília: Embrapa Hortaliças. 7p. (Comunicado Técnico, 75).

Hermes CC, Medeiros SLP, Manfron PA, Caron B, Pommer SF & Bianchi C (2001) Emissão de folhas de alface em função de soma térmica. Revista Brasileira de Agrometeorologia, 9:269-275

Leite CA, Fagnani MA, Tamaoka F & Silva IJO (2003) Viabilidade do uso

de telados para a produção de alface em larga escala. Horticultura brasileira, 21:2. CD-ROM.

Luz AO, Seabra Junior S, Souza SBS & Nascimento AS (2009) Resistência ao pendoamento de genótipos de alface em ambientes de cultivo. Agrarian, 2:71-82.

Oliveira ACB, Sediyama MAN, Pedrosa MW, Garcia NCP & Garcia SLR (2004) Divergência genética e descarte de variáveis em alface cultivada sob sistema hidropônico. Acta Scientiarum Agronomy, 26:211-217.

Porto VCN (1999) Cultivares de alface em sistema solteiro e consorciado com cenoura sob temperatura e luminosidade elevadas. Dissertação Mestrado. ESAM. Mossoró. 40p

Queiroga RCF, Bezerra Neto F, Negreiros MZ, Oliveira AP & Azevedo CMSA (2001) Produção de alface em função de cultivares e tipos de tela de sombreamento nas condições de Mossoró. Horticultura Brasileira, 19:324.

Radin B, Reisser Júnior C, Matzenauer R & Bergamaschi H (2004) Crescimento de cultivares de alface conduzidas em estufa e a campo. Horticultura Brasileira, 22:178-181.

Rocha RCC (2000) Tipos e alturas de sombrites na produção de alface sob temperatura e luminosidade elevadas. Dissertação de Mestrado. ESAM. Mossoró. 73p.

Seabra Junior S, Souza SBS, Neves LG, Theodoro VCA, Nunes MCM, Nascimento AS, Rampazzo R, Luz AO & Leão LL (2010) Desempenho de cultivares de alface tipo crespa sob diferentes telas de sombreamento no período de inverno. Horticultura Brasileira, 28:252-259.

Segovia JFO, Andriolo JL, Buriol GA & Schneider FM (1997) Comparação do crescimento e desenvolvimento da alface (Lactuca sativa L.) no interior e exterior de uma estufa de polietileno em Santa Maria - RS. Ciência Rural, 27:33-45.

Trani PE, Passos FA & Azevedo Filho JA (1997) Recomendação de adubação e calagem para o estado de São Paulo. In Raij van B.; Catnarela, H.; Quaggio, J.A.; Furlani, A.M.C. (Eds). Hortaliças, Campinas, p.157-169.

Turini T, Cahn M, Cantwell M, Jackson L, Koike S, Natwick E, Smith R, Subarrao K & Takele E (2011) Iceberg lettuce production in California. University of Califórnia, Agricultural and Natural Resources. Disponível em:

. Acessado em: 31 março de 2014.

Yuri JE, Souza RJ de, Freitas SAC de, Rodrigues Júnior JC & Mota JH (2002) Comportamento de cultivares de alface tipo americana em Boa Esperança. Horticultura Brasileira, 20:229-232.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.