ALOENXERTO ÓSSEO, PRESERVADO EM GLICERINA, NA RECONSTRUÇÃO ISQUIOPÚBICA APÓS ACESSO VENTRAL À CAVIDADE PÉLVICA DE CADELAS / PUBIC AND ISCHIAL RECONSTRUCTION WITH CORTICAL GLYCERIN PRESERVED CANCELLOUS BONE ALLOGRAFT AFTER BILATERAL OSTEOTOMY IN FEMALE DOG

RICHARD DA ROCHA FILGUEIRAS, RICARDO JUNQUEIRA DEL CARLO, MARLENE ISABEL VARGAS VILORIA, MARIA ESTHER ODENTHAL, MÁRIO SÉRGIO LIMA DE LAVOR, TATIANA SCHMITZ DUARTE

Resumo


O comportamento cia aloenxerto corticoesponjoso, preservado em glicerina 989b, utilizado na reconstrução isquiopúbica, após ressecção por cuteotomia bilateral, foi avaliado experimentalmente em 16 candelas, por meio áe exames clinicos diários e radiográficos, macro e microscópicos post mortem aos 15, 45, 60 e 75 dias após a cirurgia. Em 100% dos animais operados, foi mínimo o desconforto pósoperatótio, com restabelecimento da deambulação normal, apetite e micção em média 24 horas após a cirurgia, e a defecação em tomo de 48 horas. No exame de palpação post montem, foi observada estabilidade do aloenxerto a partir de 60 dias, em todos os animais, independentemente da presença de tecido conjuntivo fibroso. Radiograficamente, a partir de 45 dias foi verificado o início do processo de reparação, no contato aloenxerto/pelve hospedeira, em 64,391n dos animais, completando-se aos 60 dias em 16,790, e em 40,0% aos 75 dias. Histologicamente, foram evidenciadas áreas de crescimento endocondral iniciando-se na pelve hospedeira aos 45 dias, e túneis vasculares tanto no enxerto quanto na pelve. Os aloenxertos ósseos foram capazes de manter o espaçamento da pelve e a integridade das articulações coxofemorais. A interface alcenxertolpelve hospedeira foi preenchida por tecido conjuntivo fibroso, que integrou as extremidades, e a reparação ocorreu por reabsorção e deposição ósseas na area de enxertia.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.