Produtividade e exportação de nutrientes em feijão-vagem adubado com esterco de galinha

Ivan Paiva Barbosa, MARIA APARECIDA NOGUEIRA SEDIYAMA, Fred Denilson Barbosa da Silva, Sanzio Mollica Vidigal, Cláudia Lúcia Oliveira Pinto, Iza Paula Carvalho Lopes

Resumo


A análise do acúmulo e da exportação de nutrientes pela cultura de feijão-vagem é fundamental para programa de
adubação mais sustentável, pois a definição das doses de adubos orgânicos com base apenas na produção máxima
estimada não garante a manutenção da fertilidade do solo. Objetivou-se, com este trabralho, avaliar o efeito da adubação com esterco de galinha sobre a produtividade, o acúmulo e a exportação de nutrientes pelas vagens de feijão-vagem. Utilizou-se o delineamento em blocos casualizados, com cinco doses de esterco de galinha (0; 5; 10; 20 e 40 t ha-1) e quatro repetições. Foram constatados maiores teores de P e Mg nas folhas com aplicação da dose de 40 t ha-1 de esterco. O comprimento máximo da vagem foi 14,47 cm, estimado com a dose de 33,33 t ha-1 de esterco. Os maiores valores de diâmetro, número de vagens por planta e produtividade de vagens foram observados na maior dose de esterco aplicada. Em termos relativos, ou seja, total exportado em relação ao total extraído pela parte aérea, o fósforo é o nutriente mais exportado pelas vagens, em média de 58%, seguidos pelo N (55%), K (43%), Mg (40%), S (38%) e pelo Ca (17%). Na maior dose, embora o acúmulo de Ca tenha ocorrido em grande quantidade (31,3 kg ha-1), apenas 13% dele foram exportados pelas vagens. A adubação do feijão-vagem com esterco de galinha supre os nutrientes essenciais e aumenta a produtividade de vagens, de 7,2 (sem adubação), para 16,3 t ha-1 (adubação com 40 t ha-1 de esterco de galinha). Os restos vegetais do feijão-vagem constituem importante fonte de nutrientes, sendo obtidas na maior dose de esterco aplicada (40 t ha-1) as seguintes quantidades de macronutrientes (kg ha-1): N (51,4); P (5,1); K (27,6); Ca (27,1); Mg (8,2); S (5,1), que poderão retornar ao solo, com a incorporação das plantas.

 


Palavras-chave


Phaseolus vulgaris, conteúdo de nutrientes, cultivo orgânico, nutrição de plantas, qualidade microbiológica

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu IMO, Junqueira AMR, Peixoto JR & Oliveira AS (2010) Qualidade microbiológica e produtividade de alface sob adubação química e orgânica. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 30 (Supl.1):108-118.

Alves EU, Oliveira AP, Bruno RLA, Araújo E, Silva JAL, Gonçalves EP & Costa CC (2000) Produção de sementes de feijão-vagem em função de fontes e doses de matéria orgânica. Horticultura Brasileira, 18: 215-221.

Araújo JS, Oliveira AP, Silva, JAL, Ramalho CI, Neto FLC (2001) Rendimento do feijão-vagem cultivado com esterco suíno e adubação mineral. Revista Ceres, 48:501-510.

Beninni ERY, Takahashi HW & Neves CSVJ (2003) Manejo do cálcio em alface de cultivo hidropônico. Horticultura Brasileira, 21:605-610.

Brito MMP, Muraoka T & Silva EC (2011) Contribuição da fixação biológica de nitrogênio, fertilizante nitrogenado e nitrogênio do solo no desenvolvimento de feijão e caupi. Bragantia, 70:206-215.

CEASAMINAS (2013) Centro de Abastecimento de Minas Gerais. Informações Nutricionais e Informações de Mercado. Disponível em: < http://www.ceasaminas.com.br > Acesso em 5 dezembro 2014.

Cunha TJF, Blancaneaux P, Calderano Filho B, Carmo CAFS, Garcia NCP & Lima BEM (2000) Influência da diferenciação pedológica no desenvolvimento da seringueira no município de Oratórios, MG. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 35:145-155.

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Manual de análisesquímicas de solos, plantas e fertilizantes. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2009. 627p.

Fernandes AM, Soratto RP & Silva BL (2011) Extração e exportação de nutrientes em cultivares de batata: I – Macronutrientes. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 35:2039-2056.

Filgueira FAR (2008) Novo Manual de Olericultura: Agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliça, Viçosa, MG: Ed. UFV. 2008. 421 p.

Fontes PCR (2011) Nutrição mineral de plantas: avaliação e diagnose. Viçosa: O autor, 296p.

Franco CF, Prado RM, Brachirolli LF & Rozane DE (2007) Curva de crescimento e marcha de absorção de macronutrientes em mudas de goiabeira. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 31:1429-1437.

Hue NV (1991) Effects of organic acids/anions on phosphorus sorption and phytoavailability in soils with different mineralogies. Soil Science, 152:463-471.

IBGE, Censo Agropecuário (2006) Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. www.ibge.gov.br. Acesso em 23/01/2015.

Ishimura I, Feitosa CT, Lisbão RS, Passos FA, Fornasier JB & Noda M (1983) Diferentes doses de N, P, K na produção do feijão-vagem (Phaseolus vulgaris). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 23. 1983. Rio de Janeiro. Resumos... Rio de Janeiro: SOB.

Miranda RS, Suderio FB, Sousa AF & Gomes Filho E (2010) Deficiência nutricional em plântulas de feijão-de-corda decorrente da omissão de macro e micronutrientes. Rev. Ciênc. Agron. 41:326-333.

Oliveira AP, Andrade AC, Tavares Sobrinho J & Peixoto N (2001) Avaliação de linhagens e cultivares de feijão-vagem de crescimento indeterminado, no município de Areia-PB. Horticultura Brasileira, 19:159-162.

Oliveira AP, Cardoso MMO, Barbosa LJN, Silva JEL & Morais MS (2005) Resposta do feijão-vagem a P2O5 em solo arenoso com baixo teor de fósforo. Horticultura Brasileira, 23:128-132.

Oliveira NG, De-Polli H, Almeida DL & Guerra JGM (2006) Feijão-vagem semeado sobre cobertura viva perene de gramínea e leguminosa e em solo mobilizado, com adubação orgânica. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 41:1361-1367.

Oliveira AP, Silva JA, Alves AU, Dorneles CSM, Alves AU, Oliveira ANP, Cardoso EA & Silva Cruz IS (2007) Rendimento de feijãovagem em função de doses de K2O. Horticultura Brasileira, 25:029-033.

Oliveira FL, Guerra JGM, Almeida DL, Ribeiro RLD, Silva ED, Silva VV & Espindola JAA (2008) Desempenho de taro em função de doses de cama de aviário, sob sistema orgânico de produção. Horticultura Brasileira, 26:149-153.

Peixoto N, Braz LT, Banzatto DA, Oliveira AP (2002) Adaptabilidade e estabilidade em feijão-vagem de crescimento indeterminado. Horticultura Brasileira, 20:616-618.

Perez AAG, Soratto RP, Manzatto NP & Souza EFC (2013) Extração e exportação de nutrientes pelo feijoeiro adubado com nitrogênio, em diferentes tempos de implantação do sistema plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 37:1276-1287.

Raij B Van (1991) Fertilidade do solo e adubação. Piracicaba: Potafós, 1991. 343p.

Raij B Van, Cantarella H, Quaggio JA & Furlani AMC (1997) (Ed.) Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. 2.ed. Campinas: IAC. 285p. (Boletim Técnico, 100).

Rosolem, C.A.; Marubayashi, O.M. (1994) Seja o doutor do seu feijoeiro In: Encarte do Informações Agronômicas, n.68, 16p.

Santos GM, Oliveira AP, Silva JAL, Alves EU & Costa CC (2001) Characteristics and yield of snap-bean pod in function of sources and levels of organic matter Horticultura Brasileira, 19:30-35.

Santos DR, Gatiboni LC & Kaminski J (2008) Fatores que afetam a disponibilidade do fósforo e o manejo da adubação fosfatada em solos sob sistema plantio direto. Ciência Rural, 38:576-586.

Sediyama MAN, Santos IC & Lima PC (2014) Cultivo de hortaliças no sistema orgânico. Revista Ceres, 61:829-837.

Souza JL & Rezende PL (2006) Manual de horticultura orgânica. 2.ed. Viçosa: Aprenda Fácil. 843p.

Souza EFC, Soratto RP & Pagani FA (2011) Aplicação de nitrogênio e inoculação com rizóbio em feijoeiro cultivado após milho consorciado com braquiária. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 46:370-377.

UBA. União Brasileira de Avicultura (2014) Relatório Anual. Disponível em: Acesso em 23/01/2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.