Seletividade do herbicida metribuzin para cenoura quando pulverizado em pós-emergência

Núbia Maria Correia, Agnaldo Donizete Ferreira de Carvalho

Resumo


A escolha do tratamento químico (herbicida, associações de produtos, dosagem ou época de aplicação) deve considerar a sua seletividade para a cultura de interesse econômico. Por isso, objetivou-se estudar a seletividade do herbicida metribuzin para plantas de cenoura, em função do genótipo, dosagem do produto e estádio de desenvolvimento das plantas no momento da aplicação. O trabalho englobou a realização de dois experimentos, um em casa de vegetação e outro a campo em área de produção comercial de cenoura. Em casa de vegetação, o delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 5 x 2 x 3, com quatro repetições. O metribuzin, nas dosagens 0, 72, 96, 144 e 192 g ha-1, foi pulverizado em plantas com 2-3 e 4-5 folhas verdadeiras das cultivares Maestro, BRS Planalto e Verano. A campo, foi instalado um experimento com a cultivar Maestro, no delineamento de blocos ao acaso, em esquema fatorial 2 x 5, com quatro repetições. As plantas de cenoura, em dois estádios de desenvolvimento (2 e 5 folhas verdadeiras), foram pulverizadas com cinco dosagens de metribuzin (0, 72, 96, 144 e 192 g ha-1). O herbicida metribuzin, independentemente da época de aplicação ou da dosagem testada, foi seletivo para as cultivares Maestro, BRS Brasília e Verano, não ocasionando depreciação na qualidade e na produtividade das raízes.


Palavras-chave


Fitointoxicação; Daucus carota L.; tolerância

Referências


AGROFIT (2016) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - consulta de produtos formulados, 2016 Disponível em: Acessado em: 02 de março de 2016.

ALTERMAN MK & JONES AP (2003) Herbicidas: Fundamentos fisiológicos y bioquímicos del modo de acción. Ediciones Universidad Católica del Chile, 333p.

ALVAREZ JM & HUTCHINSON PJS (2005) Managing hairy nightshade to reduce potato viruses and insect vectors. Outlooks on Pest Management Journal, 16:249-252.

BELLINDER RR, KIRKWYLAND JJ & WALLACE RW (1997) Carrot (Daucus carota) and weed response to linuron and metribuzin applied at different crop stages. Weed Technology, 11:235-240.

BOYDSTON RA, MOJTAHEDI H, CROSSLIN JM, BROWN CR & ANDERSON T (2008) Effect of hairy nightshade (Solanum sarrachoides) presence on potato nematode, disease, and insect pests. Weed Science, 56:151-154.

CARDOSO MR, MARCUZZO FF & BARROS JR (2014) Classificação climática de Köppen-Geiger para o estado de Goiás e Distrito Federal. Acta Geográfica, 8:40-55.

COELHO M, BIANCO S & CARVALHO LB (2009) Interferência de plantas daninhas na cultura da cenoura (Daucus carota). Planta Daninha, 27:913-920.

FALB LN & SMITH AE (1987) Metribuzin metabolism in soybeans: partial characterization of the polar metabolites. Pesticide Biochemistry and Physiology, 27:165-172.

JENSEN KIN, DOOHAN DJ & SPECHT EG (2004) Response of processing carrot to metribuzin on mineral soils in Nova Scotia. Canadian Journal of Plant Science, 84:669-676.

OLIVEIRA JR RS & INOUE MH (2011). Seletividade de herbicidas para culturas e plantas daninhas. In:. OLIVEIRA JR. RS, CONSTANTIN J & INOUE MH (Ed.). Biologia e manejo de plantas daninhas. Curitiba, PR: Omnipax, p.243-262.

PACANOSKI Z, TÝR S & VERES T (2014) Effects of herbicides and their combinations in carrots production regions in the republic of Macedonia. Herbologia, 14:47-60.

RODRIGUES BN & ALMEIDA FLS (2011) Guia de herbicidas. 6ª ed., Londrina - PR: Edição dos autores, 697p.

SMITH AE, PHATAK SC & EMMATTY DA (1989) Metribuzin metabolism by tomato cultivars with low, medium, and high levels of tolerance to metribuzin. Pesticide Biochemistry and Physiology, 35:284-290.

SOCIEDADE BRASILEIRA DA CIÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS - SBCPD (1995). Procedimentos para instalação, avaliação e análise de experimentos com herbicidas. Londrina, 42p.

STEPHENSON GR, MCLEOD JE & PHATAK SC (1976) Differential tolerance of tomato cultivars to metribuzin. Weed Science, 24:161-165.

SWANTON CJ, O´SULLIVAN J & ROBINSON DE (2010) The critical weed-free period in carrot. Weed Science, 58:229-233.

ZAGONEL J, REGHIN MY & VENÂNCIO WS (1999) Controle pós-emergente de plantas daninhas em cenoura. Horticultura Brasileira, 17:69-71.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.