Glifosato cultivo in vitro de Cattleya nobilior Rchb. F

douglas junior bertoncelli, Guilherme Augusto Cito Alves, Felipe Favoretto Furlan, Gustavo Henrique Freiria, Jose Henrique Bizzarri Bazzo, Ricardo Tadeu de Faria

Resumo


Dentre as técnicas utilizadas pela biotecnologia para multiplicação de mudas de orquídea, o cultivo in vitro destaca-se pelo elevado potencial de produção de novas plântulas. A presença de algumas substâncias químicas utilizadas no meio de cultura, dependendo da dose, pode favorecer ou não o crescimento e o desenvolvimento da planta. Neste sentido, objetivou-se avaliar o efeito do glifosato no cultivo in vitro da orquídea brasileira Cattleya nobilior Rchb. F. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, com seis tratamentos e dez repetições. Os tratamentos foram constituidos de seis concentrações de glifosato (0,0; 8,5; 17,0; 25,5; 34,0 e 42,5 mg L-1 e.a.), acrescidas em meio de cultura MS modificado com metade da concentrações de macronutrientes. As plântulas submetidas as diferentes concentrações de glifosato foram obtidas a partir de sementes germinadas in vitro. As avaliações de comprimento e massa seca de parte aérea e de raiz, número de folhas, comprimento da folha, largura da folha, número de brotos e teores de clorofila a, b e carotenoides foram realizadas 200 dias após o transplantio das plântulas. Dentre os componentes fitométricos analisados, apenas o comprimento e massa seca de raiz e o teor de carotenoides diminuíram com o incremento das doses do herbicida glifosato. Baixas concentrações de glifosato adicionados no meio de cultura resultam em efeito hormese, com aumento do crescimento da parte aérea de Cattleya nobilior Rchb. F.

Palavras-chave


hormese, micropropagação, orchidaceae

Referências


Baur JR (1979) Eftect of glyphosate on auxin transport in corn and cotton tissues. Plant Physiology, 63:882-886.

Benzing DH, Ott DW & Friedman WE (1982) Roots of Sobralia macrantha (Orchidaceae): structure and function of the velamen-exodermis complex. American Journal of Botany, 69:508-614.

Calabrese EJ & Baldwin LA (2001) Hormesis: a generalizable and unifying hypothesis. Critical Reviews in Toxicology, 31:353–424.

Calabrese EJ, Baldwin LA & Holland CD (1999) Hormesis: A highly generalizable and reproducible phenomenon with important implications for risk assessment. Risk Analysis, 19:261-281.

Carbonari C, Meschede DK & Velini ED (2007) Efeitos da aplicação de glyphosate no crescimento inicial de mudas de eucalipto submetidas a dois níveis de adubação fosfatada. In: simpósio internacional sobre glyphosate. Anais. Botucatu: Fepaf, p. 68-70.

Carvalho LB & Alves PLC (2011) Efeitos do glyphosate na fotossíntese do cafeeiro. In: simpósio internacional sobre glyphosate. Anais. Botucatu: FEPAF. p.86-89.

Cedergreen N (2008) Is the growth stimulation by low doses of glyphosate sustained over time? Environmental Pollution, 156:1099-1104.

Cedergreen N & Olesen CF (2010) Can glyphosate stimulate photosynthesis? Pesticide Biochemistry and Physiology, 96:140-148.

Duke SO, Cedergreen N, Velini ED & Belz RG (2006) Hormesis: Is it an important factor in herbicide use and allelopathy? Outlooks on Pest Management, 17:29-33.

Faria, RT, Dalio, RJD, Unemoto LK & Silva GL (2006) Propagação in vitro de Oncidium baueri Lindl. (Orchidaceae) sem uso de ágar. Acta Scientia Agronomica, 28:71­74.

Galli AJB & Montezuma MC(2005) Alguns aspectos da utilização de glyphosate na agricultura. São Paulo: ACADCOM Gráfica e Editora, 66 p.

Godoy MC (2007) Efeitos do glyphosate sobre o crescimento e absorção de fósforo pela soja. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Estadual Paulista, 53p.

Halter S (2009) História do herbicida agrícola glyphosate. In: Velini ED. Glyphosate. Botucatu: Fepaf, 1:11-16.

Kruse ND, Trezzi MM & Vidal RA (2000) Herbicidas inibidores da EPSPs: revisão de Literatura. Revista Brasileira de Herbicidas, 1:139-146.

Mayer JLS, Ribas LLF, Bona C & Quoirin M (2008) Anatomia comparada das folhas e raízes de Cymbidium Hort. (Orchidaceae) cultivadas ex vitro e in vitro. Acta Botânica Brasileira, 22:323-332.

Meschede DK, Velini ED, Carbonari CA & Silva JRM (2011) Alteração fisiológica da cana-de-açúcar pela aplicação de glyphosate e sulfumeturon-methyl. Planta Daninha, 1:413-419.

Meschede DK, Carbonari CA & Velini ED (2007) Efeito de subdoses de glyphosate sobre o crescimento e desenvolvimento de Commelina benghalensis. In: Simpósio Internacional Sobre Glyphosat. Trabalhos científicos. Botucatu: Fepaf, p.65-67.

Mousdale DM & Coggins JR (1991) Amino acid synthesis. In: Kirkwood RC. Target sites for herbicide action. New York: Premium Press.

Murashige T & Skoog FA (1962) Revised medium for rapid growth and bio assays with tobacco tissue cultures. Physiologia Plantarum, 15:473-497.

Oliveira LM, Paiva R, Santana JRF, Nogueira RC, Soares FP & Silva LC (2007) Efeito de citocininas na senescência e abscisão foliar durante o cultivo in vitro de Annona glabra L. Revista Brasileira de Fruticultura, 29:25-30.

Pereira CS, Bevilacqua UC, Souza TV, Matte WD & Chapla MV (2016) Phytotoxicity in transgenic soybean treated with glyphosate doses. Scientific Electronic Archives, 3:52-61.

Pierik RLM (1990) Cultivo in vitro de las plantas superiores. 3ª ed. Madrid, Ediciones Mundi-Prensa. 120p.

Pincelli-Souza RP (2014) Hormesis de glyphosate em cana-de-açúcar. Tese (Doutorado em agronomia) Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Estadual Paulista, 75p.

Ross J & O’neil D (2001) New interactions between classical plant hormones. Trends in Plant Science, 6:2l.

Schmidt RR (1997) Classification of herbicides according to mode of action. Brigton crop protection conference – Weeds, 1:1133-1140.

Silva MDA, Aragão NC, Barbosa MDA, Jeronimo EM & Carlin SD (2009) Efeito hormótico de gliphosate no desenvolvimento inicial de cana-de-açúcar. Bragantia, 1:973-978.

Sorace M, Faria RT, Batista Fonseca IC, Yamamoto LY & Fonseca Sorace MA (2009) Alternative substrata for xaxim on culture of Cattleya intermedia X Hadrolaelia purpurata (Orchidaceae). Semina: Ciências Agrárias, 30:771-778.

Stancato GC & Faria RT (1996) In vitro growth and mineral nutrition of the lithophytic orchid Laelia cinnabarina Batem. (ORCHIDACEAE) I:effects of macro and microelements. Lindleyana, 11: 41¬-43.

Taiz L & Zeiger E (2013) Fisiologia vegetal; Tradução: Divan Junior et al., 5o ed., Porto Alegre: Artmed, 918p.

Takane RJ, Yanagisawa SS & Pivetta KFL (2010) Cultivo moderno de orquídeas: Cattleya e seus híbridos. Fortaleza: UFC. 179 p.

Tomaz HVQ (2009) Fontes, doses e formas de aplicação de fósforo na cana-de-açúcar. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia). Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, 93p.

Velini ED, Carbonari ED, Meschede DK & Trindade MLB (2012) Modo de ação do glyphosate. In: Velini ED, Carbonari ED, Meschede DK & Trindade MLB. Glyphosate: uso sustentável. Fepaf: Botucatu, 213p.

Velini ED, Alves E, Godoy MC, Meschede DK, Souza RT & Duke SO (2008) Glyphosate applied at low doses can stimulate plant growth. Pest Management Science, 64:489-496.

Vitti GC, Oliveira DB. & Quintino TA (2006) Micronutrientes na cultura da cana-de-açúcar. In: Segato SV, Pinto AS, Jendiroba E & Nóbrega JCM. Atualização em produção de canade-açúcar. 1:121-138.

Yamada T & Castro PBC (2007) Efeitos do glifosato nas plantas: implicações fisiológicas e agronômicas implicações fisiológicas e agronômicas. International plant nutrition institute, 1:1-32.

Yoshida S (1969) Biosynthesis and conversion of aromatic amino acids in plants. Annual Review Plant Physiology, 20:41-62.

Wagner R, Kogan M & Parada AM (2003) Phytotoxic activity of root absorbed glyphosate in corn seedlings (Zea mays L.). Weed Biology Management, 3:228-232

Watanabe D (2002) Orchidas: manual de cultivo. São Paulo: Associação Orquidófila de São Paulo. 296p.

Whitham FH, Blaydes DF & Devlin RM (1971) Experiment in plant physiology. Van Nostrand Company, 1:236p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.