Desenvolvimento e fisiologia do porta-enxerto citrangeiro ‘Fepagro C37 Reck’ inoculado com fungos micorrízicos arbusculares

Marina Martinello Back, Gabriela Fedrizzi, Paulo Vitor Dutra de Souza

Resumo


A utilização de fungos micorrízicos arbusculares (FMA) na produção de porta-enxertos é uma alternativa para promover um desenvolvimento mais acelerado às plantas. Entretanto, sua resposta depende das espécies dos simbiontes. O objetivo deste estudo foi avaliar a influência de diferentes espécies de fungos micorrízicos arbusculares (FMA) no desenvolvimento e fisiologia do porta-enxerto citrangeiro 'Fepagro C37 Reck'. Foram utilizadas quatro espécies de FMA: Scutellospora heterogama, Gigaspora margarita, Glomus etunicatum e Acaulospora sp., bem como um tratamento controle. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso de 5 tratamentos, com 3 repetições e 10 plantas por parcela. A cada quinze dias, foi medida a altura (cm) e o diâmetro do caule (mm) das plantas no viveiro. Aos 330 dias, foram medidos o número de folhas, a área foliar (cm²), a massa fresca e seca das raízes e da parte aérea (g/planta), o teor de reservas da raiz e da parte aérea, o conteúdo nutricional da parte aérea e a colonização de FMA. A inoculação de FMA promoveu um crescimento vegetativo acelerado, resultando em maior altura e diâmetro. Além disso, os fungos promoveram às plantas maior absorção da maioria dos nutrientes e em todos os outros parâmetros testados. Contudo, não se observou efeito no teor de reservas do porta-enxerto. As raízes foram colonizadas, com moderada presença de arbúsculos e baixa de vesículas. Os FMA, independentemente da espécie, influenciam no desenvolvimento e na fisiologia do porta-enxerto citrangeiro 'Fepagro C37 Reck'.


Palavras-chave


endomicorrizas, citros, produção de mudas, desenvolvimento vegetativo, nutrientes, colonização

Referências


Anzanello R, Souza PVD, Casamali B (2011) Fungos micorrízicos arbusculares (FMA) em porta-enxertos micropropagados de videira. Bragantia, 70: 409-415.

Back MM, Altmann T & Souza PVD (2016) Influence of arbuscular mycorrhizal fungi on the vegetative development of citrus rootstocks. Pesquisa Agropecuária Tropical, 46: 407-412.

Brasil (2017) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n° 24 de 16 de dezembro de 2005. Normas para produção, comercialização e utilização de mudas. DOU, 20/12/2005, Seção 1, 243p.

Costa MD, Lovato PE & Sete PB (2010) Micorrização e indução de quitinases e β-1,3-glucanases e resistência à fusariose em porta-enxerto de videira. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 45: 376-383.

Fochesato ML, Souza PVD, Schafer G & Maciel HS (2007) Crescimento vegetativo de porta-enxertos de citros produzidos em substratos comerciais. Ciência Rural, 37: 970-975.

Focchi SS, Dal Soglio FK, Carrenho R, Souza PVD & Lovato PE (2004) Fungos micorrízicos arbusculares em cultivos de citros sob manejo convencional e orgânico. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 39:469-476.

Gonzatto MP, Kovaleski AP, Brugnara EC, Weiler RL, Sartori IA, Lima JG, Bender RJ & Schwarz SF (2011) Performance of 'Oneco' mandarin on six rootstocks in South Brazil. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 46:406-411.

Jayme B & Quigley M (2014) Influence of arbuscular mycorrhiza on growth and reproductive response of plants under water deficit: a meta-analysis. Mycorrhiza, 24:109-119.

Koller OL (2013) Citricultura catarinense. Florianópolis, Epagri. 319p.

Kiriachek SG, Azevedo LC, Peres VEP & Lambais MR (2009) Regulação do desenvolvimento de micorrizas arbusculares. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 33:1-16.

Liu CY & Wu QS (2014) Relationships between mycorrhizas and antioxidant enzymes in citrus (Citrus tangerina) seedlings inoculated with Glomus mosseae. Pakistan Journal of Botany, 46:1125-1128.

Nemec S (1992) Glomus intraradix effects on citrus roostock seedling growth in various potting media. Journal of Agricultural Science, 118: 315-323.

Nunes JLS, Souza PVD, Marodin GAB & Fachinello JC (2008a) Inoculação de fungos micorrízicos arbusculares em porta-enxerto de pessegueiro cv Okinawa. Revista Brasileira de Fruticultura, 30:1100-1106.

Nunes JLS, Souza PVD, Marodin GAB & Fachinello JC (2008a) Incremento no desenvolvimento vegetativo do porta-enxerto de pessegueiro ‘Aldrighi’ por fungos micorrízicos arbusculares autóctones. Revista Ciência e Agrotecnologia, 32: 1787-1793.

Nunes JLS, Souza PVD, Marodin GAB & Fachinello JC (2009) Eficiência de fungos micorrízicos arbusculares sobre o crescimento do porta-enxerto de pessegueiro ‘Aldrighi’. Bragantia, 68:931-940.

Nunes JLS, Souza PVD, Marodin GAB & Fachinello JC (2013) Desenvolvimento de plântulas de pessegueiro ‘Okinawa’ inoculadas com micorrizas arbusculares isoladas de pomares de pessegueiros e de vinhedos. Revista Brasileira de Fruticultura, 35:845-852.

Oliveira RP, Soares Filho WS, Passos OS, Scivittaro WB & Rocha PSG (2010). Porta-enxertos para citros. In:. Produção Orgânica de Citros no Rio Grande do Sul. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. 295 p.

Ortas I (2012) Mycorrhiza in citrus: growth and nutrition. In: Srivastava AK. Advances in citrus nutrition. Amsterdam: Springer. 333-351p.

Priestley GA (1965) A new method for the estimation of the resources of apple tress. Journal of the Science of Food and Agriculture, 16:717-721.

SBCS (Sociedade Brasileira de Ciência do Solo) (2004). Manual de adubação e de calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Porto Alegre, SBCS. 10ed, 400p.

Schäfer G, Souza PVD, Koller OC & Schwarz SF (2006) Desenvolvimento vegetativo inicial de porta-enxertos cítricos cultivados em diferentes substratos. Ciência Rural, Santa Maria, 36: 1723-1729.

Silveira SV, Lorscheiter R, Barros IBI, Schwarz SF & Souza PVD (2006) Mentha piperita as a multiplying of arbuscular mycorrhizal fungi. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, 8:91-97.

Smith SE & Smith FA (2011) Roles of arbuscular mycorrhizas in plant nutrition and growth: new paradigms from cellular to ecosystem scales. Annual Review of Plant Biology, 62:227-250.

Souza PVD & Schäfer G (2006) Produção de mudas de laranjeiras. In: Koller OC (Org.). Citricultura: 1. Laranja: tecnologia de produção, pós-colheita, industrialização e comercialização. Porto Alegre: Ed. Cinco Continentes, 2006. 55-87p.

Souza PVD, Carniel E, Schmitz JAK & Silveira SV (2005) Influência de substratos e fungos micorrízicos arbusculares no desenvolvimento vegetativo do porta-enxerto flying dragon (Poncirus trifoliata, var. Montruosa swing.). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 27:285-287.

Wu QS, Zou YN & Heb XH (2011a) Differences of hyphaland soil phosphatase activities in drought-stress edmycorrhizal trifoliate orange (Poncirus trifoliata) seedlings. Scientia Horticulturae, 129:294-298.

Wu QS, Zou YN & Heb XH (2011b). Root morphological modification of mycorrhizal citrus (Citrus tangerine) seedlings after application with exogenous polyamines. The Journal of Animal & Plant Sciences, 21:20-25.

Zaccheo PVC, Neves CSVJ, Stenzel NMC & Okumura RS (2012) Distribuição do sistema radicular de porta-enxertos sob laranjeira ‘Folha Murcha’ em clima subtropical. Ciências Agrárias, Londrina, 33:921-930.

Zambrosi FCB, Mattos D, Furlani RPR, Quaggio JÁ & Boaretto RM (2012) Eficiência de absorção e utilização de fósforo em porta-enxertos cítricos. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, 36:485-496.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.