Estímulo químico e mecânico na rustificação de mudas de eucalipto

Paulo Ricardo Lima, Ubirajara Contro Malavasi, João Alexandre Lopes Dranski, Marlene de Matos Malavasi, Augustinho Borsoi, Martios Ecco

Resumo


O estudo objetivou avaliar a qualidade de mudas de eucalipto após rustificação com aplicação de ácido jasmônico (JA) e flexões caulinares. O experimento foi realizado em duas etapas, sendo a primeira etapa desenvolvida em ambiente protegido e a segunda realizada a campo. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso com sete tratamentos (testemunha; 2,0; 4,0; 6,0 e 8,0 μmol L-1 de JA, aplicados semanalmente por quatro semanas; vinte e quarenta flexões caulinares diárias por quatro semanas) com cinco repetições. Após as quatro semanas de aplicação dos tratamentos, foram determinados os incrementos na altura, diâmetro do coleto, número de folhas, massas secas de raízes e da parte aérea, potencial de regeneração de raízes e índice SPAD. Aos noventa dias após o plantio, foram avaliados os incrementos na altura e no diâmetro do coleto e a relação altura/diâmetro das mudas. A análise de agrupamento por UPGMA evidenciou a formação de três grupos: grupo 1 (testemunha, 2,0; 4,0 e 6,0 μmol L-1 de JA); grupo 2 (8,0 μmol L-1 de JA) e grupo 3 (flexões caulinares). Parâmetros como incremento no diâmetro do coleto, potencial de regeneração de raízes e SPAD quantificados durante a rustificação de mudas no viveiro não são preditivas de maior desempenho a campo. Mudas que apresentaram maior incremento na altura e número de folhas (grupo I e II) durante a fase de rustificação obtiveram maior incremento em altura e no diâmetro do coleto a campo aos noventa dias após o plantio.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.