Alterações fisiológicas e atividade de enzimas antioxidantes em sementes de pimenta ‘biquinho’ e ‘malagueta’ durante o processo de maturação

ROBERTO FONTES ARAUJO

Resumo


Sementes mantidas dentro de frutos carnosos, após a colheita, podem continuar metabolicamente ativas, sem interromper o processo de maturação, o que pode promover aumento da germinação e do vigor. Também, durante a maturação e o repouso pós-colheita dos frutos, podem ocorrer alterações nos mecanismos de proteção contra danos oxidativos, incluindo a atividade das enzimas antioxidantes. Objetivou-se avaliar a qualidade fisiológica e a atividade de enzimas do sistema de defesa antioxidativo em sementes de pimenta ‘biquinho’ e ‘malagueta’ de frutos colhidos em diferentes estádios de maturação e submetidos ao repouso pós-colheita. Frutos colhidos aos 40, 55 e 70 dias após antese (DAA) foram armazenados em câmara, a 25 °C, por 0, 6, 12 e 18 dias. As sementes extraídas dos frutos foram avaliadas pelos testes de germinação e envelhecimento acelerado. Também, foram determinadas as atividades das enzimas superóxido dismutase, catalase e peroxidase. Para ambas espécies, sementes de frutos colhidos aos 70 DAA, com coloração vermelha, possuem germinação e vigor superiores àquelas de colheitas anteriores, aos 40 e 55 DAA; portanto, a colheita neste estádio é recomendada para obtenção de sementes de alta qualidade fisiológica. O repouso dos frutos de pimenta ‘biquinho’ colhidos aos 55 DAA contribui para aumentar o potencial de germinação das sementes, enquanto para a ‘malagueta’ este procedimento é pouco benéfico. A enzima catalase tem grande potencial para o monitoramento da qualidade fisiológica das sementes de pimenta ‘malagueta’ e ‘biquinho’; baixa atividade dessa enzima em sementes oriundas de frutos em repouso está relacionada à maior qualidade fisiológica das mesmas.


Palavras-chave


C. chinense Jacq.; C. frutescens L.; época de colheita; repouso de frutos; germinação; vigor.

Referências


Abud H.F, Araujo EF, Araujo RF, Araujo AV & Pinto CMF (2013) Qualidade fisiológica de sementes das pimentas malagueta e biquinho durante a ontogênese. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 4:1546-1553.

http://www.scielo.br/pdf/pab/v48n12/v48n12a03.pdf

Bailly C (2004) Active oxygen species and antioxidants in seed biology. Seed Science Research, 14:93-107. https://doi.org/10.1079/SSR2004159

Bhering MC, Dias DCFS, Vidigal DS & Naveira DSP (2006) Teste de envelhecimento acelerado em sementes de pimenta. Revista Brasileira de Sementes, 28:64-71. http://www.scielo.br/pdf/rbs/v28n3/10.pdf

Brasil (2009) Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS. 395p.

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/2946_regras_analise_sementes.pdf

Caixeta F, Von Pinho EVR, Guimarães RM, Pereira PHAR, Catão HCRM & Clemente ACS (2014) Determinação do ponto de colheita na produção de sementes de pimenta malagueta e alterações bioquímicas durante o armazenamento e a germinação. Científica, 42:187-197.

http://www.cientifica.org.br/index.php/cientifica/article/download/537/319

Dias DCFS, Ribeiro FP, Dias LAS, Silva DJH & Vidigal DS (2006) Tomato seed quality in relation to fruit maturation and post-harvest storage. Seed Science and Technology, 34:691-699.

http://www.ingentaconnect.com/content/ista/sst/2006/00000034/00000003/art00015

El-Maarouf-Bouteau H. & Bailly C (2008) Oxidative signaling in seed germination and dormancy. Plant Signal Behavior, 3:175-182.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2634111/pdf/psb0303_0175.pdf

Kalemba EM & Pukacka S (2007) Possible roles of LEA proteins and sHSPs in seed protection: a short review. Biological Letters, 44:3-16.

http://www.biollett.amu.edu.pl/biollett_44_1_1.pdf

Leprince O, Hendry GAF & Mckersie BD (1993) The mechanisms of desiccation tolerance in developing seeds. Seed Science Research, 3:231­246.

http://journals.cambridge.org/action/displayAbstract?fromPage=online&aid=1353464

Maguire JD (1962) Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, 2:176-177.

Martins DC, Vilela FKJ, Guimarães RM, Gomes LAA & Silva PA (2012) Physiological maturity of eggplant seeds. Revista Brasileira de Sementes, 34:534-540. http://www.scielo.br/pdf/rbs/v34n4/02.pdf

Mcdonald MB (1999) Seed deterioration, physiology, repair and assessment. Seed Science Technology, 27:177-237.

Mittler R (2002) Oxidative stress, antioxidants and stress tolerance. Trends in Plant Science, 7:405–410.

http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1360138502023129

Peixoto PHP, Cambraia J, Sant’ana R; Mosquim PR & Moreira MA (1999) Aluminum effects on lipid peroxidation and on activities of enzymes of oxidative metabolismo in sorghum. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, 11:137-143.

http://www.cnpdia.embrapa.br/rbfv/pdfs/v11n3p137.pdf

Vidigal DS, Dias DCFS, Dias LAS & Finger FL (2011) Changes in seed quality during fruit maturation of sweet pepper. Scientia Agricola, 68:535-539.

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90162011000500004

Vidigal DS, Dias DCFS, Naveira DSP, Rocha FB & Bhering MC (2006) Qualidade fisiológica de sementes de tomate em função da idade e do armazenamento pós-colheita dos frutos. Revista Brasileira de Sementes, 28:87-93.

http://www.scielo.br/pdf/rbs/v28n3/13.pdf

Vidigal DS, Dias DCFS, Von Pinho EVR & Dias LAS (2009) Alterações fisiológicas e enzimáticas durante a maturação de sementes de pimenta (Capsicum annuum L.). Revista Brasileira de Sementes, 31:129-136.

http://www.scielo.br/pdf/rbs/v31n2/v31n2a15.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.