Instrução aos autores

Deseja enviar contribuições à revista? Convidamos todos a conferir a seção Sobre a revista e ler as políticas das seções disponíveis, bem como as Diretrizes para Autores. A partir de agosto de 2018, as submissões são realizadas pela plataforma ScholarOne.

Diretrizes para Autores

Formatação

Paginação

Autoria

Idioma

A Revista Ceres aceita a submissão de artigos somente na língua inglesa.

A qualidade da redação em língua também é critério fundamental para a avaliação do artigo. Portanto, sugerimos aos autores cuja a língua nativa não é a inglesa, anexarem declaração de tradução ou revisão do inglês no momento de submissão do artigo.

 

 

 

Abaixo existe uma lista de sugestões de pessoas físicas ou jurídicas que realizam traduções:

Pessoas físicas:

Evelyn Jardim de Oliveira - evelyn_jardim@yahoo.com.br

Isabel Rademaker Valença - isa.valenca8@gmail.com



Seções de artigos e comunicações

Os autores devem indicar área e subáreas do artigo, antes do título, a fim de facilitar o envio dos manuscritos aos avaliadores. Ao final desta página constam as áreas e subáreas da Revista Ceres.

 

CORPO DO TEXTO

Os artigos devem conter as seguintes seções:

 

TITLE

ABSTRACT

KEYWORDS

INTRODUCTION

MATERIAL AND METHODS

RESULTS AND DISCUSSION

CONCLUSIONS

REFERENCES

ACKNOWLEDGEMENTS, FINANCIAL SUPPORT AND FULL DISCLOSURE

 

A AUTORIA DO ARTIGO, o RODAPÉ, e a CONTRIBUIÇÃO DOS AUTORES devem ser enviados em um documento à parte, em "documentos suplementares".

 

O RODAPÉ deve conter as seguintes informações:

A primeira nota deve fornecer informações sobre o trabalho (se foi extraído de tese, dissertação, etc., e fonte financiadora) e as demais, informações sobre a afiliação de cada um dos autores, obedecendo à seguinte ordem: Instituição, departamento (quando houver), cidade, estado, país e e-mail. Não utilizar abreviações para nenhuma informação do rodapé

Para autores vinculados à mesma instituição e departamento, deve-se utilizar a mesma nota de rodapé.

Exemplo:

 

 

 Em CONTRIBUIÇÃO DOS AUTORES, deve-se especificar qual foi a contribuição de cada autor no desenvolvimento da pesquisa.

 

 

TITLE

Deverá ter no máximo 20 palavras, centralizadas e em negrito. Apenas a primeira palavra com a letra inicial em maiúscula e as demais em minúscula, exceto em casos pertinentes (p. ex., nomes científicos; Phaseolus vulgaris). Se necessário, introduzir nota de rodapé, ao seu final, usando algarismo arábico sobrescrito (veja o item rodapé).

ABSTRACT

A palavra "ABSTRACT" deve ser escrita em letra maiúscula, alinhada à esquerda e ter aplicação de negrito. Essa seção deve conter no máximo 200 palavras e ter apenas um parágrafo. O texto deve conter, em linhas gerais, a hipótese, os objetivos, material e métodos utilizados, resultados expressivos alcançados e a conclusão. O texto deve ser iniciado na linha subsequente ao título dessa seção.

KEY WORDS

As palavras-chave devem ter um número mínimo de três e máximo de seis palavras e devem ser citadas em parágrafo subsequente ao resumo. Devem ser grafadas com inicial minúscula (exceto os nomes científicos) e separadas por ponto e vírgula, preferencialmente sem repetir palavras contidas no título do trabalho.

INTRODUCTION

O título dessa seção, "INTRODUCTION", deve ser escrito em letra maiúscula, alinhado à esquerda. A introdução deve ater-se ao problema do trabalho em pauta, situando o leitor quanto à sua importância, hipótese da pesquisa e os objetivos, estando estes últimos claramente expressos ao final da introdução.

MATERIAL AND METHODS

O título dessa seção, "MATERIAL and METHODS", deve ser escrito em letra maiúscula, alinhado à esquerda. A seção deve ser redigida com detalhe suficiente para que o trabalho possa ser repetido. A Revista CERES requer que estejam especificados no artigo os procedimentos estatísticos, incluindo: o delineamento utilizado, o número de repetições e a técnica estatística empregada. Quando não houver delineamento, o artigo deve descrever claramente como foi feita a condução da pesquisa, e qual a técnica estatística utilizada para a análise dos dados. Quando os tratamentos se constituírem de fatores quantitativos com três ou mais níveis, as variáveis de resposta devem ser submetidas à análise de regressão. Se for de interesse comparar os níveis com o padrão ou testemunha, o teste adotado deve ser o Dunnett. Casos excepcionais serão avaliados pela Comissão Editorial.

Trabalhos envolvendo experimentação animal ou humana devem explicitar no primeiro parágrafo o protocolo de aprovação do Comitê e Ética em Experimentação Animal ou Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos.

RESULTS AND DISCUSSION

O título da seção, "RESULTS and DISCUSSION", deve ser escrito em letra maiúscula, alinhado à esquerda. O texto deve ser claro e conciso, apoiado na literatura pertinente. Results and Discussion são seções que podem vir juntas ou separadas.

Obs: As seções Material and Methods e Results and Discussion poderão conter subseções, indicadas por subtítulos escritos em itálico e negrito, iniciados por letra maiúscula e centralizados.

CONCLUSIONS

O título da seção "CONCLUSIONS" deve ser escrito em letra maiúscula, alinhado à esquerda. As conclusões devem ser concisas e derivadas dos dados apresentados e discutidos. Cada conclusão deve constituir parágrafo novo.

REFERENCES

O título da seção "REFERENCES" deve ser escrito em letra maiúscula, alinhado à esquerda. As referências devem ser listadas por ordem alfabética. Seguem os exemplos:

a) Artigos de periódicos:

Pinto JD (2006) A review of the new world genera of Trichogrammatidae (Hymenoptera). Journal of Hymenoptera Research, 15:38–163.

Possenti JC & Villela FA (2010) Efeito do molibdênio aplicado via foliar e via sementes sobre o potencial fisiológico e produtividade de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, 32:143–150.

Martinez HEP, Poltronieri Y & Cecon PR (2015) Supplying zinc salt tablets increased zinc concentration and yield of coffee trees. Journal of Plant Nutrition, 38:136-140.

Stefanello Júnior GJ, Grützmacher AD, Spagnol D, Pasini RA, Bonez C & Moreira DC (2012) Persistência de agrotóxicos utilizados na cultura do milho ao parasitoide Trichogramma pretiosum Riley, 1879 (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Ciência Rural, 42:17-23.

b) Livros:

Mengel K & Kirkby EA (2001) Principles of plant nutrition. 5ª ed. Dordrecht, Kluwer Academic Publishers. 849p.

c) Capítulos de livros:

Martinez HEP, Neves JCL, & Alvarez VH (2017) Mineral Nutrition and Fertilization. In: Adriana Farah (Ed.) Coffee: Chemistry, Quality and Health. London, Royal Society of Chemistry. p.99-999.

d) Trabalhos em anais de congresso:

Junqueira Netto A, Sediyama T, Sediyama CS & Rezende PM (1982) Análise de adaptabilidade e estabilidade de dezesseis cultivares de feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) em seis municípios do sul de Minas Gerais. In: 1ª Reunião Nacional de Pesquisa de Feijão, Goiânia. Anais, EMBRAPA/CNPAF. p.47-48.

e) Teses e dissertações:

Fritsche-Neto R (2011) Seleção genômica ampla e novos métodos de melhoramento do milho. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 39p.

Hanauer JG (2011) Crescimento, desenvolvimento e produtividade em cultivo de cana-planta e cana-soca de um ano em Santa Maria, RS. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria. 81p.

f) CD-ROM:

França MHC & Omar JHDH (2004) Estimativa da função de produção do arroz no estado do Rio Grande do Sul: 1969 a 1999. In: 2° Encontro de Economia Gaúcha, Porto Alegre. Anais, FEE. CD-ROM.

g) Internet:

Darolt MR & Skora Neto F (2002) Sistema de plantio direto em agricultura orgânica. Disponível em: http://www.iapar.br/arquivos/File/zip_pdf/agroecologia/publicacoes/plantorganico2002.pdf. Acessado em: 23 de abril de 2013.

h) Boletim técnico:

Bastos DC, Scarpare Filho JA, Fatinansi JC, Pio R & Spósito MB (2004) A cultura da lichia. Piracicaba, DIBD/ESALQ. 23p. (Boletim técnico, 26).

Cruz I (1995) A lagarta-do-cartucho na cultura do milho. Sete Lagoas, Embrapa/Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo. 45 p. (Circular Técnica, 21).

i) Programas estatísticos:

R development core team (2010) R: A Language and environment for statistical computing. Vienna, R Foundation for Statistical Computing. Disponível em: Acessado em: 01 de janeiro de 2012.

SAS Institute Inc. (2002) Statistical Analysis System user's guide. Version 9.0. Cary, Statistical Analysis System Institute. 513p.

Universidade Federal de Viçosa (2007) SAEG: Sistema para Análises Estatísticas e Genéticas. Versão 9.1. Viçosa, Fundação Arthur Bernardes. CD-ROM.

j) Legislação:

Brasil (2000) Instrução Normativa nº 01, de 07 de janeiro de 2000. Regulamento técnico geral para fixação dos padrões de identidade e qualidade para polpa de fruta. DOU, 10/01/2000, Seção 1, p.259.

Brasil (2001) Resolução RDC n. 12, de 02 janeiro de 2001. Aprova o Regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. DOU, 02/01/2001, Seção 1, p.174

k) Citação no Texto

No texto, citar as referências nos formatos: (Autor, Ano), (Autor & Autor, Ano), (Autor et al., Ano) ou (Silva, 1999; Arariki & Borges, 2003; Santos et al., 2007), sempre em ordem cronológica ascendente. A referência deve ser citada ao final de um período que expresse uma ideia completa. Quando os nomes dos autores forem parte integrante do texto, menciona-se a data da publicação citada entre parênteses, logo após o nome do autor, conforme exemplos: Fontes (2008), Borges & Loreno (2014), Batista et al. (2016).

l) Citação de citação

Todo esforço deve ser empreendido para se consultar o documento original. Entretanto, nem sempre é possível. Nesse caso, pode-se reproduzir informação já citada por outros autores. Pode-se adotar o seguinte procedimento: no texto, citar o sobrenome do autor do documento não consultado com o ano de publicação, seguido da expressão citado por e o sobrenome do autor do documento consultado com o ano de publicação; na listagem das referências deve-se incluir a referência completa da fonte consultada.

m) Comunicação pessoal

Não faz parte da lista de referências, sendo colocada apenas em nota de rodapé. Coloca-se o sobrenome do autor seguido da expressão “comunicação pessoal”, a data da comunicação, nome, estado e país da Instituição ao qual o autor é vinculado.

ACKNOWLEDGEMENTS, FINANCIAL SUPPORT AND FULL DISCLOSURE

Os autores devem informar se receberam financiamento ou apoio de instituições de incentivo à pesquisa.

Os autores devem declarar nesta seção se há, ou não, algum conflito de interesse na condução e publicação do trabalho.

 

DECLARATION OF ORIGINALITY, SIMILARITY CHECK AND COPYRIGHT ASSIGNMENT

A fabricação e falsificação de dados e imagens são más condutas graves.

A CERES adota o programa CrossRef Similarity Check  para verificação de duplicidade com textos já publicados.

A Declaração de Originalidade é de envio obrigatório e deverá ser anexada em “documentos suplementares”. Ela deverá ser impressa, assinada por todos os autores e digitalizada. Caso não seja possível enviar um único documento com as assinaturas de todos os autores, poderá ser enviada uma declaração para cada autor. Assinaturas eletrônicas não serão aceitas.

 O Modelo de Declaração está no final desta página. 

Normas para figuras e tabelas

As figuras e tabelas devem ser posicionadas após sua citação, no corpo do texto. A diagramação final do artigo pode modificar o posiciinamento das figuras e tabelas no artigo. 

As figuras e tabelas devem ser numeradas com algarismos arábicos, ficando a legenda posicionada abaixo nas figuras e acima nas tabelas.

Figuras e tabelas não devem repetir os mesmos dados. Figuras submetidas em formato eletrônico devem apresentar resolução mínima de 300 dpi, em formato JPG. Toda ilustração que já tenha sido publicada deve conter, abaixo da legenda, dados sobre a fonte (autor, data) de onde foi extraída.

A referência bibliográfica completa relativa à fonte da ilustração deve figurar na seção Referências. As despesas de impressão de ilustrações coloridas correrão por conta dos autores.

Tables

O termo refere-se ao conjunto de dados alfanuméricos ordenados em linhas e colunas. Deve ser construída apenas com linhas horizontais de separação no cabeçalho e ao final da tabela. A legenda recebe inicialmente a palavra Table, seguida pelo número de ordem em algarismo arábico, separado do enunciado da tabela por dois pontos e é referida no texto como Table. Colunas compostas por números fracionários, esses devem ser alinhados pela vírgula.

Figures

O termo refere-se a qualquer ilustração constituída ou que apresente linhas e pontos: desenho, fotografia, gráfico, fluxograma, esquema, etc. Os desenhos, gráficos, etc. devem ser bem nítidos. As legendas recebem inicialmente a palavra Figure, seguida do número de ordem em algarismo arábico separado do enunciado da figura por dois pontos e é referida no texto como Figure.

Custos

A publicação do trabalho implicará o pagamento de uma taxa de R$250,00. O pagamento deverá ser efetuado quando o autor correspondente receber a prova tipográfica e será feito exclusivamente na forma de Boleto Eletrônico. De posse do boleto impresso, basta quitá-lo em uma agência bancária ou caixa automática e enviar cópia para o e-mail que enviou a prova tipográfica. Solicita-se informar, via e-mail, a data e o número do boleto, quando forem feitos depósitos em que os autores não são identificados (recursos de convênios, departamentos, coordenações, etc.).

Política de Privacidade

 

Os nomes e endereços informados nesta revista serão usados exclusivamente para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados para outras finalidades ou a terceiros.

 

ÁREAS E SUBÁREAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA CERES

 

2 - Biotecnologia vegetal, biologia molecular e genômica

02.01 - Biossegurança

02.02 - Biotecnologia Vegetal

02.03 - Cultura de Tecidos

02.03.1 - Cultivo de Plantas Ornamentais in vitro

02.04 - Genômica

02.04.1 - Virologia

02.05 - Interação Planta Patógeno

02.06 - Interação molecular Planta-Praga

02.07 - Marcadores Moleculares

02.08 - Morfoanatomia

02.09 - Propagação de Plantas

 

 

06 - Engenharia Agrícola (somente: Irrigação e Drenagem; Física do Solo; Agrometeorologia; Agricultura de Precisão; Tecnologia e Aplicação de Defensivos)

06.01. - Agricultura de precisão

06.03 - Agrometeorologia

06.12 - Irrigação e drenagem

06.14 - Impacto ambiental de tecnologias

06.15 - Plantio direto

06.16 - Preparo do solo

06.20 - Tecnologia de aplicação de agrotóxicos

 

09 - Fisiologia e morfologia aplicadas à agricultura

09.01 - Anatomia Vegetal

09.02 - Botânica

09.02.01 - Biologia da Reprodução

09.02.02 - Florística

09.05 - Ecofisiologia Vegetal

09.08 - Fisiologia de plantas cultivadas

09.08.01 - Arroz irrigado

09.08.02 - Cafeeiro

09.08.03 - Trigo

09.10 - Metabolismo e reguladores de crescimento

09.12 - Morfologia vegetal

09.13 - Orquídeas

09.14 - Processos organogênicos e metabólicos

09.16 - Reguladores vegetais exógenos

09.17 - Variação somaclonal

 

10 - Fitossanidade

10.01 - Controle Químico

10.01.01 - Controle Químico e Cultural

10.02 - Entomologia Agrícola

10.02.01 - Controle biológico de pragas

10.02.02 - Comportamento de Insetos

10.02.03 - Entomologia florestal

10.02.04 - Interação Molecular Planta-Praga

10.02.05 - Manejo integrado de pragas

10.02.07 - Semioquímicos

10.02.08 - Taxonomia e bioecologia de himenópteros parasitoides

10.02.09 - Acarologia agrícola

10.03 - Fitopatologia

10.03.01 - Resistência Genética de Plantas a Patógenos

10.03.02 - Resistência de Plantas a Doenças

10.03.03 - Fungos fitopatogênicos e/ou fungos do solo

10.04 - Herbicidas no solo

10.05 - Matologia

10.05.02 - Biologia de plantas daninhas

10.05.03 - Fitossociologia

10.05.04 - Manejo e controle de plantas daninhas

10.05.06 - Manejo integrado de plantas invasoras

10.06 - Nematologia

10.07 - Microbiologia geral

10.08 - Virologia

 

 

12 - Melhoramento vegetal aplicado à agricultura

12.01 - Biometria

12.02 - Conservação e uso de germoplasma

12.03 - Evolução de Plantas Tropicais

12.04 - Genética Vegetal

12.04.01 - Genética Molecular quantitativa

12.04.02 - Genética Molecular Vegetal

12.04.03 - Genética quantitativa

12.05 - Melhoramento de Plantas

12.05.01 - Melhoramento do algodoeiro

12.05.02 - Melhoramento de arroz

12.05.03 - Melhoramento genético de aveia

12.05.04 - Melhoramento do cafeeiro

12.05.05 - Melhoramento de fruteiras

12.05.07 - Melhoramento de grandes culturas

12.05.08 - Melhoramento de hortaliças

12.05.09 - Melhoramento do milho

12.05.10 - Melhoramento de soja

12.06 - Recursos genéticos vegetais

12.06.01 - Recursos genéticos de espécies florestais nativas

12.06.02 - Recursos genéticos de plantas forrageiras

12.07 - Resistência de plantas a doenças

 

14 e 16- Propagação vegetativa e seminífera

14.01 - Controle de qualidades de sementes

14.02 - Fisiologia de sementes

14.03 - Patologia de sementes

14.04 - Produção de sementes forrageiras

14.05 - Tecnologia de sementes

 

16.01 - Cultura de tecidos

16.01.01 - Cultivo de ornamentais in vitro

16.02 - Micropropagação

16.02.01 - Micropropagação de Orquídeas e Bromélias

16.03 - Propagação de Orquídeas

16.04 - Propagação de Plantas

16.05 - Propagação de plantas Ornamentais

16.06 - Produção de mudas

16.07 - Estaquia

16.08 - Enxertia

 

15 - Produção Vegetal

15.01 - Agricultura Orgânica

15.02 - Agroecologia

15.02.01 - Adubos verdes e adubos orgânicos

15.03 - Bioenergia                                        

15.03.01 - Pinhão manso

15.04 - Cereais

15.04.02. - Milho para Silagem

15.04.03 - Trigo

15.04.04 - Arroz

15.06 - Fruticultura

15.06.01 - Fruticultura de clima temperado

15.06.02 - Fruticultura tropical

                    15.06.02.2 - Maracujazeiro

                    15.06.02.3 - Abacaxi

                    15.06.02.4 - Citricultura

15.07 - Grandes Culturas

            15.07.01 - Algodão

15.07.02 - Cafeicultura

                     15.07.02.1 - Café arábica e canephora

                     15.07.02.2 - Qualidade de café

                     15.07.02.3 - Pós colheita de café

15.07.03 - Cana

15.08 - Grãos - Leguminosas

15.08.01. - Feijoeiro

15.08.02. - Soja

15.09 - Manejo de Plantas Perenes

15.10 - Olericultura

15.10.01 - Cultivo Protegido

15.10.02 - Hidroponia

15.10.03 - Cultivo orgânico

15.11 - Plantas medicinais

15.11.01 - Química de produtos naturais

15.11.02 - Óleos essenciais

15.11.03 - Farmacobotânica

15.12 - Plantas ornamentais

15.12.01 - Bromélias

15.12.02 - Cultivo sem solo

15.12.03 - Orquídeas

15.12.04 - Paisagismo

15.14 - Pós Colheita

15.16 - Produção de Mudas

 

17 - Solos e nutrição de plantas

17.01 - Adubos e adubação

17.01.01 - Fertirrigação

17.02 - Fertilidade do Solo

17.03 - Física do Solo

17.04 - Gênese, morfologia e classificação

17.05 - Fitoremediação

17.06 - Geoquímica

17.07 - Geotécnica

17.08 - Manejo e Conservação do Solo

17.08.01 - Plantio Direto

17.08.02 - Manejo e conservação do solo e água

17.08.03 - Erosão do solo

17.09 - Geoprocessamento

17.10 - Matéria orgânica

17.11 - Mecânica dos solos

17.12 - Metais pesados

17.13 - Microbiologia e Bioquímica do Solo

17.13.01 - Fixação Biológica do Nitrogênio

17.14 - Micronutrientes

17.15 - Mineralogia

17.16 - Nutrição Mineral de Plantas

17.16.01 - Hidroponia

17.17 - Planejamento do uso da terra

17.18 - Plantio direto

17.19 - Pedologia

17.20 - Poluição do Solo

17.21 - Qualidade do Solo e Agua

17.22 - Química do Solo

17.23 - Química Nuclear e Radioquímica

17.24 - Recuperação de áreas degradadas

17.25 - Sensoriamento remoto

17.26 - Sistema de informações geográficas

17.27 - Substratos

1.28 - Química do Solo

17.29- Isótopos Estáveis

 

18- Produção e sanidade animal aplicadas à agropecuária

18.1 Bem-estar de animais em produção

18.2 Experimentação em animal de produção

18.3 Integração lavoura e pecuária

18.4 Manejo de animais de produção

18.5 Melhoramento animal

18.5.1 Biotecnologia

18.5.2. Genética

18.5.3. Melhoramento de aves

18.5.4. Melhoramento de monogástricos

18.5.5. Melhoramento de suínos

18.5.6. Melhoramento de peixes

18.5.7. Melhoramento de ruminantes

18.5.7.1. Bovinocultura de corte

18.5.7.2. Bovinocultura de leite

18.5.7.3. Bubalinos

18.5.7.4. Caprinos

18.5.7.5. Ovinos

18.6. Nutrição Animal

18.6.1. Alimentação animal

18.6.2. Analise de alimentos

18.6.3. Nutrição de aves

18.6.4. Nutrição de monogástricos

18.6.5. Nutrição de suínos

18.6.6 Nutrição de peixes

18.6.7. Nutrição de ruminantes

18.6.7.1. Bovinocultura de corte

18.6.7.2. Bovinocultura de leite

18.6.7.3. Bubalinos

18.6.7.4. Caprinos

18.6.7.5. Ovinos

18.7. Pastagem e Forragicultura

18.7.1. Forragicultura

18.7.2. Manejo de pastagem

18.7.3. Melhoramento de pastagem

18.8. Produção Animal

18.8.1. Produção de aves

18.8.2. Produção de monogástricos

18.8.3. Produção de suínos

18.8.4. Produção de peixes

18.8.5. Produção de ruminantes

18.8.5.1. Bovinocultura de corte

18.8.5.2. Bovinocultura de leite

18.8.5.3. Bubalinos

18.8.5.4. Caprinos

18.8.5.5. Ovinos

18.9. Reprodução Animal

18.9.1. Biotecnologia da reprodução

18.9.2. Reprodução de aves

18.9.3. Reprodução de monogástricos

18.9.4. Reprodução de suínos

18.9.5. Reprodução de peixes

18.9.6. Reprodução de ruminantes

18.9.6.1. Bovinocultura de corte

18.9.6.2. Bovinocultura de leite

18.9.6.3. Bubalinos

18.9.6.4. Caprinos

18.9.6.5. Ovinos

18.10. Saneamento Ambiental e Saúde Ambiental

18.10.1. Manejo de resíduos

18.10.2. Qualidade e poluição ambiental

18.10.3. Recursos Naturais

18.11. Sanidade Animal

18.11.1. Aves

18.11.2. Ruminantes

18.11.3. Suínos

18.11.4. Monogástricos

 

Declaração de Originalidade e Cessão dos Direitos Autorais

Declaro que o presente artigo é orginal e não foi submetido à publicação em qualquer outro periódico, quer seja em parte ou em sua totalidade. Declaro, ainda, que uma vez publicado na Revista Ceres, o mesmo jamais será submetido por mim ou por qualquer um dos demais co-autores a qualquer outro periódico. Através deste instrumento, nós, autores, cedemos os direitos autorais do referido artigo à Revista Ceres e declaramos estar cientes de que a não observância deste compromisso submeterá o infrator a sanções e penas previstas na Lei de Proteção de Direitos Autorais (Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998).

Assinatura do(s) autor(es)

Primeiro Autor:

Assinatura: ____________________________________________________

Endereço:

E-mail:

 

Co- Autor:

Assinatura: ____________________________________________________

Endereço:

E-mail:

 

Co- Autor:

Assinatura: ____________________________________________________

Endereço:

E-mail:

 

Data: 

Declaração de Originalidade e Cessão dos Direitos

Autorais

Declaro que o presente artigo é orginal e não foi submetido à

publicação em qualquer

outro periódico, quer seja em parte ou em sua totalidade

.

Declaro, ainda, que uma vez

publicado na Revista Ceres, o mesmo jamais será submetido por

mim ou por qualquer

um dos demais co-autores a qualquer outro periódico. Através

deste instrumento, nós,

autores, cedemos os direitos autorais do referido artigo à R

evista Ceres e declaramos

estar cientes de que a não observância deste compromisso

submeterá o infrator a sançõ

es e penas previstas na Lei de Proteção de Direitos Autorais

(Lei nº 9.610, de 19 de

fevereiro de 1998).

Assinatura do(s) autor(

es

)

Primeiro Autor:

Assinatura: ____________________________________________________

Endereç

o:

E-mail:

Co

- Autor:

Assinatura: ____________________________________________________

Endereç

o:

E-mail:

Co

- Autor:

Assinatura: ____________________________________________________

Endereç

o:

E-mail:

 

Data